Mais resultados

Generic selectors
Somente correspondências exatas
Pesquisar no título
Pesquisar no conteúdo
Post Type Selectors
post

Antônio Cruz de Melo, O Camisa

O turista é um dos principais clientes do taxista. A necessidade de se locomover com segurança e conforto é um dos fatores que levam muitos viajantes a optarem pelo serviço de táxi para conhecerem os pontos turísticos de uma cidade. Além desse aspecto prático relacionado à mobilidade, o fato do taxista ter uma relação muito íntima com a cidade, por trabalhar rodando em suas ruas, é uma outra vantagem para uma pessoa que está conhecendo um lugar pela primeira vez.

 

“Eu e minha esposa somos de Ribeirão Preto e estamos encantados com Salvador. Além da cidade ser linda, realmente o calor humano do povo baiano é único. Eles são realmente acolhedores, bem diferente de onde nós viemos. Nesses dias que estamos passando aqui, utilizamos o táxi para conhecer alguns pontos turísticos da cidade e todos os taxistas que conhecemos até agora foram muito atenciosos, cuidadosos e educados. Isso faz muita diferença para o turista”, disse Carlos, 60 anos, que estava conhecendo Salvador pela primeira vez.

 

Esses são alguns dos motivos que fazem com que muitos turistas optem pelo táxi e que muitos taxistas busquem clientes em pontos de táxi que ficam em lugares turísticos da cidade. Natural de Cruz das Almas, interior da Bahia, Antônio Cruz de Melo, o Camisa, é taxista em Salvador há 40 anos e sempre apostou nessa estratégia turística para conquistar os seus clientes. Camisa começou sua trajetória como taxista nos pontos de táxi do Mercado Modelo e do Porto da Barra, e até hoje mantém a estratégia de conquistar clientes nos pontos turísticos da capital baiana.

 

“Meu primeiro táxi foi um fusca e eu comecei aqui no Porto da Barra e lá no Mercado Modelo. O Porto da Barra é muito bonito, a praia é muito boa, pra mim é até uma praia espiritual, muito forte… Essa é uma área turística, uma área boa e importante para o taxista”, disse Camisa, que até hoje trabalha no Porto da Barra.

 

Segundo ele, muita coisa mudou no Porto da Barra durante esses anos. Para ele, as mudanças realizadas pela Prefeitura nos últimos anos foram muito positivas para o turista que visita o local. “Hoje, para o turista que está visitando o Porto da Barra, caminhar na Orla está muito melhor. Agora, tem algumas ruas da Orla que o Táxi não pode entrar… Isso dificulta um pouco o nosso trabalho e nós estamos ainda nos acostumando com isso, mas é algo que está em análise e pode ser que alguns ajustes ainda possam ser feitos pra que fique bom pra todos”, analisou Camisa.

 

Por que Camisa?

 

Diretor do Sindicato dos Taxistas de Salvador (SINDITAXI), Antônio sempre esteve presente nas lutas pelos direitos da categoria. Foi inclusive uma dessas batalhas sindicais que deu origem ao apelido Camisa. “Antigamente, os taxistas eram obrigados a usar farda e nós, através do Sindicato, conseguimos derrubar essa obrigatoriedade. O problema foi que eu tinha encomendado cinco camisas e cinco calças uma semana antes de conseguirmos essa vitória. Aí, como eu já tinha mandado fazer as fardas, eu acabei tendo que ficar usando mesmo depois de não ser mais obrigatório. Com isso, os colegas começaram a me chamar de Camisa, Camisa e aí pegou… Não teve jeito”, contou a inusitada história, o sorridente Camisa.

 

Camisa disse que se considera um bom profissional e que tanto o trabalho como taxista, quanto como um dos Diretores do SINDITAXI, é feito com muito respeito, honestidade e seriedade. “Quem tem o poder da decisão final é o nosso Presidente… Mas a gente busca fazer o nosso trabalho da melhor forma pra continuar contribuindo na defesa aos direitos da categoria”, afirmou orgulhosamente Antônio, o Camisa.

 

 

O amor pela profissão

 

Camisa diz que para trabalhar com táxi tem que ter amor à profissão. Segundo ele, tudo na vida tem seu lado bom e ruim, porém o mais importante é você fazer aquilo que gosta. “Eu estou prestes a completar 70 anos e tenho 40 anos de profissão. Conquistei minha casa e criei todos os meus seis filhos através do táxi. Eu me sinto bem no táxi. Trabalho como taxista, porque amo a profissão. Não penso em parar”, concluiu com alegria o taxista baiano Antônio Cruz de Melo, o Camisa.

 

Redação Ei, Táxi.

(Visitas totais 75)

Compartilhe

2 respostas

  1. Oii ..sou Rayane …sou de itanhem bahia ..estou a procura de uma pessoa’ o nome dele e HUGO LEONARDO E taxista ..meio alto moreno ..olhos verdes …quem tiver informacoes ..entre em contatos por favor ..7388580329

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cadastre-se em nossa Lista de Transmissão

Siga nossas Redes Sociais

Siga nossas Redes Sociais