Mais resultados

Generic selectors
Somente correspondências exatas
Pesquisar no título
Pesquisar no conteúdo
Post Type Selectors
post

Janeiro Branco – Por Naira S. Venturin

A campanha Janeiro Branco foi criada em 2014 por um grupo de psicólogos brasileiros. Tal campanha já tem se disseminado por várias partes do mundo. Trata-se de um tema de suma importância: saúde mental.

O ano de 2020 foi marcado por muitas mudanças. Obviamente tais mudanças refletiram na saúde física e emocional, nas relações interpessoais e na vida profissional das pessoas.

Comprovadamente os brasileiros estão adoecendo em quantidade e ritmo alarmantes. Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), em torno de 12 milhões de brasileiros sofrem de depressão. O número é equivalente a 5,8% da população.

A ansiedade, por sua vez, afeta quase 20 milhões de brasileiros, cerca de 9,3% da população. Isso inclui o transtorno obsessivo-compulsivo, problemas de fobia, estresse pós-traumático e até mesmo ataques de pânico.

Sendo assim, a necessidade de um olhar mais atencioso para a saúde mental é ainda maior, uma vez que o cenário atual acentuou o sofrimento psíquico da população.

Esta é a 8ª edição da campanha. A ação deste ano busca promover um pacto pela saúde, e tem como lema: “Todo cuidado conta”.

Janeiro Branco busca oportunamente colocar a saúde mental em evidência. Este tema foi considerado um tabu por longos anos. Ainda hoje é possível perceber os reflexos desta historicidade. A desinformação e o preconceito dificultam a prevenção e o tratamento.

É fundamental mudar esta perspectiva, afinal: todos têm direito à saúde mental!

Naira de Souza Venturin Psicóloga

 

 

 

 

Naira S.Venturin

Psicóloga Clínica – Crp 03/17225

Especialista em Psicologia Nutricional e Psicossomática.

Instagram: @psicossomatica_mente

Atendimento online (71) 98276-3177

(Visitas totais 47)

Compartilhe

Uma resposta

  1. Bem claro e oportuno. Primeiro em razão das inevitáveis sequelas da pandemia na sanidade das pessoas. Segundo, porque o governo federal quer acabar com a assistência a tais distúrbios na rede pública.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cadastre-se em nossa Lista de Transmissão

Siga nossas Redes Sociais

Siga nossas Redes Sociais