Mais resultados

Generic selectors
Somente correspondências exatas
Pesquisar no título
Pesquisar no conteúdo
Post Type Selectors
post

Taxista envolvido em acidente, na Liberdade, foi ouvido em delegacia na manhã desta quinta-feira (30)

Denis Paim e advogado da AGT, o criminalista Harlem Ouais
Presidente e Advogado da Associação Geral dos Taxistas (AGT) acompanharam o taxista - Foto: Divulgação/AGT

O taxista Erivaldo da Souza Cruz, alvará A-5851, que se envolveu em um acidente de trânsito com vítimas fatais, na madrugada do dia 5, no bairro da Liberdade, em Salvador, foi ouvido na manhã desta quinta-feira (30), na 2ª Circunscrição Policial de Salvador, no mesmo bairro. Presidente e Advogado da Associação Geral dos Taxistas (AGT) acompanharam Erivaldo. Denis Paim conversou com familiares das vítimas.

Depois de ter envolvido-se num acidente de trânsito, que provocou a morte de duas pessoas e feriu outras duas, e após passar dias internado no Hospital Geral do Estado (HGE), o taxista Erivaldo da Souza Cruz foi ouvido por cerca de 2h30, pelo delegado de polícia da 2ª DP, que fica no bairro da Liberdade, região onde aconteceu o acidente.

De acordo com o advogado da AGT, o criminalista Harlem Ouais, o taxista contou que no dia do ocorrido, sentiu-se mal e resolveu ir até a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) dos Barris, mas durante o deslocamento, desmaiou e a partir daí não lembra-se de mais nada. “Ele disse que apagou total, que não lembra de mais nada e só acordou no outro dia, já no hospital. Ele só foi informado sobre o acidente, dois dias depois, através de sua filha, que também lhe mostrou as condições do veículo”, explica.

Em relação à informação de que Erivaldo havia ingerido bebida alcoólica, Harlem Ouais contou que o taxista negou e disse que, apenas, teria lanchado numa barraca que fica próxima à sua casa. “Ele nega. Disse que antes de ter ido pra casa, passou numa barraca de lanche que fica perto de casa, pediu apenas um lanche, não teve bebida alcóolica e foi pra casa. Depois que ele se sentiu mal, resolveu ir pra UPA”.

O criminalista também explicou os próximos passos e o que pode ou não acontecer com o caso do taxista. “Agora, ocorrerá o término da coleta de provas, irão juntar exames que foram feitos, perícia do carro, ouvir testemunhas, eventuais filmagens, fechar o inquérito e enviar ao Ministério Público, que poderá ou não denunciá-lo caso entenda que havido crime. Se o MP entender que houve crime, irá classificar o crime como culposo ou doloso, no caso dele ter assumido ou não o risco. A depender do andamento do caso, o taxista poderá ir à júri popular.

O presidente da AGT, Denis Paim, também acompanhou o colega à delegacia e acabou conhecendo e conversando com familiares das vítimas, que disseram que “só querem justiça”.

Entenda o caso, Clique Aqui.

(Visitas totais 139)

Compartilhe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cadastre-se em nossa Lista de Transmissão

Siga nossas Redes Sociais

Siga nossas Redes Sociais