Mais resultados

Generic selectors
Somente correspondências exatas
Pesquisar no título
Pesquisar no conteúdo
Post Type Selectors
post

A bola de neve das dívidas nos cartões de crédito

Por Dr. Nivaldo Cruz – Presidente da Associação de Defesa dos Direitos dos Consumidores do Estado da Bahia (Aceba)

 

Os consumidores que tiveram acesso a cartões de crédito nos últimos anos estão com dificuldades em honrar as compras feitas. Conforme estudo recente do Banco Central, mostra que os juros médios desta modalidade são de 262,92% ao ano.
A inadimplência média é de 29,6%, a mais alta entre todas as modalidades de crédito, o que implica dizer que 1 de cada 4 portadores de cartão de crédito está endividado. E mais: 30% dos portadores de cartão de crédito não estão pagando o valor total das faturas e sim parcelando as compras, um risco adicional enorme para levar à inadimplência.
Os milhares de consumidores que se empolgaram transformando o cartão em fonte de renda, sem se atentar para as despesas do cotidiano, terminam por acumular muitas contas e o cartão acaba ficando sem pagamento.
A procura sobre como resolver a dívida, cresceu 50% nos últimos dois meses, revela Nivaldo Cruz, presidente da ACEBA. “Embora as emissões de cartões tenham diminuído, por conta da crise que o país atravessa, a concessão de limites maiores e a prática disseminada de promoções do tipo “12 vezes juros”, têm levado as pessoas a consumir mais. Em dado momento o orçamento doméstico extrapola e a conta não fecha, assim o consumidor entra na ciranda do pagamento rotativo” .
As administradoras de cartão de crédito são as responsáveis pela cobrança dos maiores juros do mercado brasileiro e do mundo. Somados à multa, juros por atraso, encargos e cobrança indevida de comissão de permanência, a conta pode passar dos 15% ao mês sobre as parcelas vencidas e não pagas. Ou seja, em um mês o consumidor é cobrado em taxas de juros equivalentes a 18 (dezoito) meses de rendimento da poupança. Importante frisar que a administradora do cartão de crédito, como o próprio nome indica, não é instituição financeira, por esta razão não poderia esta praticando taxas de juros tão elevadas.
Além dos encargos citados tem-se a cobrança do CET. O CET (Custo Efetivo Total) é o preço total do financiamento e pode ser encontrado na fatura. Ao não pagar toda a fatura, você entra no financiamento chamado “credito rotativo”. Normalmente, o CET desta dívida aparece como CET crédito rotativo. Segundo levantamento do Banco Central, o campeão em taxas foi o custo total do saque à vista no cartão de crédito do banco Santander: 967% ao ano!!!
A propalada unificação dos cartões em uma única máquina no comércio, também não trouxe vantagens ao consumidor, como redução nos juros ou nos preços dos produtos vendidos pelo comércio, ou seja, o setor não tem repassado aos clientes as reduções de custo obtidas com ganhos de escala.
E ainda existem administradoras de cartões que estabelecem uma cláusula em que o cliente confere uma procuração para esta administradora buscar empréstimos no mercado para cobrir o valor não pago da fatura no vencimento. Este dispositivo é conhecido como “cláusula-mandato” e exigiria da administradora uma postura de buscar o empréstimo com as melhores taxas para o cliente. Porém, na prática, elas são sempre vinculadas a algum banco e não se preocupam em buscar taxas menores para os clientes, onerando ainda mais o consumidor.
Além disso, a maioria das administradoras tem incorporado em seu serviço outras ramificações que de certa forma caracterizam venda casada. Como exemplo temos os seguros, que nunca cobrem a fatura no caso de inadimplência, plano odontológico, capitalização, etc. Em muitos casos o consumidor é convencido a adquirir tais produtos sem que de fato tenha conhecimento da forma de utilização.
O seguro para a hipótese de desemprego, por exemplo, é vendido indiscriminadamente a qualquer cliente sem a observância da qual classe de trabalhador o mesmo se enquadra. Quando se vende este tipo de seguro a um trabalhador autônomo, pensionista, aposentado ou concursado, por exemplo, este jamais fará uso do produto, tendo em vista que não perderiam o emprego, ou, no caso do autônomo, não teria como comprovar o fim de uma relação trabalhista. Desta forma, as administradoras se locupletam ilicitamente a custo do consumidor hipossuficiente.

Dicas para sair da Dívida do Cartão:
Caso não consiga um acordo administrativo ou uma linha de financiamento para quitar a dívida, você pode recorrer à Justiça. Em uma ação judicial, pode-se questionar os juros cobrados (que não podem exceder a média do mercado divulgada no site do BACEN), a capitalização de juros (que é vedada pelo STF), e a cobrança de multas indevidas (acima de 2% conforme Código de Defesa do Consumidor). O consumidor pode conseguir uma boa redução na dívida, mas terá que oferecer um valor para depositar em juízo mensalmente, se quiser tirar seu nome do SPC e SERASA; valor esse que tem sido fixado no máximo em 30% da renda do cliente. A cobrança de tarifas para emissão de boletos também é ilegal e pode ser questionada.
Ademais, qualquer cobrança indevida de serviços ou dificuldade de cancelamento, seja dos produtos vinculados ao cartão ou do próprio cartão, poderá ser solucionada através da ação judicial.

(Visitas totais 228)

Compartilhe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cadastre-se em nossa Lista de Transmissão

Siga nossas Redes Sociais

Siga nossas Redes Sociais