Mais resultados

Generic selectors
Somente correspondências exatas
Pesquisar no título
Pesquisar no conteúdo
Post Type Selectors
post

Furto de cabos de energia fecha sede da Cotae em Salvador mais uma vez

prédio da Cotae
A recorrência desses furtos levanta questões sobre a responsabilização e a efetividade das medidas de prevenção - Foto: Divulgação

Na manhã desta terça-feira (18), a Coordenação de Táxi e Transportes Especiais (Cotae) em Salvador foi forçada a fechar temporariamente suas portas devido ao furto de cabos de energia. De acordo com João Adorno, da Comissão dos Taxistas, a previsão inicial é que o atendimento seja retomado no turno vespertino.

Esta situação, no entanto, não é inédita. O furto de cabos de energia e equipamentos na sede da Cotae tem ocorrido de forma recorrente, evidenciando a falta de vigilância sobre o patrimônio público. Este problema crônico não apenas gera transtornos para a administração, mas também acarreta prejuízos significativos aos contribuintes.

Impacto Financeiro e de Serviço

Os furtos causam prejuízos ao pagador de impostos de duas maneiras principais. Primeiramente, há a necessidade de destinar recursos adicionais para a reposição dos materiais roubados. Em segundo lugar, a suspensão do atendimento atrasa a resolução de pendências dos cidadãos, afetando diretamente aqueles que dependem dos serviços da Cotae para suas atividades diárias, especialmente os taxistas.

Falta de Responsabilização

A recorrência desses furtos levanta questões sobre a responsabilização e a efetividade das medidas de prevenção. A sensação de impunidade parece prevalecer, uma vez que este tipo de crime continua a ocorrer sem que ações preventivas eficazes sejam implementadas. “Quem é responsabilizado por isso? Possivelmente, ninguém, tanto que esse tipo de crime é recorrente na Cotae, ou seja, a marginalidade sabe que nada é feito no sentido de prevenção.

Falta de Fiscalização

É notório a omissão do Ministério Público da Bahia (MP-BA) e dos vereadores de Salvador, que têm a responsabilidade de fiscalizar o poder executivo, mas não têm atuado de forma efetiva. O que fazem os procuradores do Ministério Público da Bahia (MP-BA) e os vereadores de Salvador que não fiscalizam o poder executivo? São omissos, porque acham que são donos dos cargos e nada vai acontecer se prevaricarem.

Reflexão sobre a Gestão Pública

A situação na Cotae é vista por muitos como um reflexo da falta de responsabilidade de muitos gestores públicos no uso do dinheiro do contribuinte. A percepção de impunidade e a falta de ação eficaz contra esses crimes reforçam a ideia de que “o crime compensa” e que a justiça frequentemente não atua com a firmeza necessária.

A recorrência dos furtos na Cotae não apenas prejudica o atendimento aos cidadãos, mas também coloca em questão a gestão do patrimônio público em Salvador. É preciso que medidas mais rigorosas de segurança e prevenção sejam implementadas, e que haja uma responsabilização efetiva para evitar que situações como essa continuem a acontecer.

Os constantes furtos na sede da Cotae são um problema sério que afeta não apenas a administração pública, mas também os cidadãos que dependem dos serviços oferecidos. A implementação de medidas preventivas eficazes e a responsabilização dos culpados são passos essenciais para evitar que esses crimes continuem a ocorrer, garantindo assim um melhor uso dos recursos públicos e um serviço de qualidade para a população.

(Visitas totais 161)

Compartilhe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cadastre-se em nossa Lista de Transmissão

Siga nossas Redes Sociais

Siga nossas Redes Sociais