Mais resultados

Generic selectors
Somente correspondências exatas
Pesquisar no título
Pesquisar no conteúdo
Post Type Selectors
post

Desenbahia rebate acusações de Denis Paim sobre “prejudicar” os taxistas em renegociações do PROTÁXI

A diretoria da Desenbahia rebateu as acusações feitas, nesta quinta-feira (24), pelo taxista Denis Paim, que acusou a agência de “prejudicar” os titulares em renegociação de contratos do PROTÁXI. Segundo a diretoria, a Agência segue o que determina o FUNDESE. Ainda conforme o órgão, durante o período de pandemia, excepcionalidades estão sendo aplicadas para ajudar o taxista que enfrenta dificuldade por conta da crise gerada pela Covid-19.

Após a publicação da denúncia feita pelo taxista Denis Paim (Veja Aqui), o Diretor de Desenvolvimento de Negócios da Desenbahia, Agenor Martinelli Braga, entrou em contato com o Ei Táxi para rebater as acusações de Denis. Segundo o executivo, a Agência segue o que determina o Fundo de Desenvolvimento Econômico e Social (FUNDESE). Ele explica que no Decreto nº 8.046, de 4 de outubro de 2001, a Seção IV, Art. 35, diz que: “Os financiamentos do subprograma PROTÁXI, que visa apoiar as iniciativas dos profissionais proprietários de táxi da cidade de Salvador e de outras cidades na renovação da frota em circulação, através de seu órgão de classe, obedecerão às seguintes condições…”. Martinelli detalha que o financiamento só pode ser feito através de órgão de classe, porque a entidade de classe ajudará a Desenbahia a ter uma espécie de controle uma vez que o órgão estadual não tem acesso à vida financeira do cliente como um banco tradicional do sistema financeiro.

Apesar desta norma, o diretor informou que eles resolveram flexibilizar através da suspensão do contrato, tendo em vista a dificuldade que a categoria está enfrentando com a pandemia do novo coronavírus.

Não é verdade que ele foi impedido de fazer a renegociação. A titular dele pode ter vindo aqui e não ter sido atendida por falta de agendamento, mas se ela agendar, nós iremos atender. Denis Paim teve uma primeira vez aqui na Desenbahia e nós o atendemos, eu e a Dra. Rita Simões, Gerente de Renegociação, mesmo sem ele ter agendado, o que seria obrigatório por conta do decreto do Estado de isolamento social. Eu disse pra ele que mesmo a gente sendo obrigado a fazer todo o processo através das entidades de classe, que ele trouxesse a relação que nós entraríamos em contato com os taxistas e daríamos encaminhamento. O que ele está falando, agora, é uma inverdade e eu não sei por qual motivo”, contou Martinelli.

Com relação à queixa de que a Associação Geral dos Taxistas (AGT) não pode se credenciar e que existem novas caixinhas realizando a intermediação, o diretor disse que não procede. “Não credenciamos ninguém novo, todos que estão credenciados já eram”.

“O Decreto do FUNDESE me proíbe de fazer uma negociação direta com o taxista, sem intermédio de uma entidade de classe, mas se o taxista foi de uma cooperativa e não é mais, e tenha um contrato conosco, nós iremos fazer a renegociação sim. No entanto, ele precisará da entidade de classe que fez parte da assinatura do contrato no início do financiamento”, explicou o executivo da Desenbahia.

(Visitas totais 363)

Compartilhe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cadastre-se em nossa Lista de Transmissão

Siga nossas Redes Sociais

Siga nossas Redes Sociais