Editorial: Governador Rui, a criminalidade é a maior preocupação do taxista baiano

  • Editorial: Governador Rui, a criminalidade é a maior preocupação do taxista baiano

    Governador Rui Costa fala após a vitória - Foto: reprodução de www.noticiadabahia.com.br

    Governador Rui Costa fala após a vitória – Foto: reprodução de www.noticiadabahia.com.br

     

    O resultado das Eleições 2018 para o governo do estado da Bahia foi histórico. O governador, Rui Costa, foi reeleito com pouco mais de 5 milhões de votos (5.096.602), o que representou 75,5% dos votos válidos. A maior votação de todos os tempos, superando o ex-governador Jaques Wagner que era o campeão com cerca de 4,2 milhões de votos. Não há o que se questionar, a população baiana aprovou o primeiro mandato de Rui Costa e lhe deu mais quatro anos para comandar o estado.

     

    Na edição passada, a categoria se expressou através do Ei, Táxi, destacando alguns problemas que o governo baiano precisa resolver. Além de saúde, edução, geração de emprego, turismo e moradia, a segurança pública foi a área mais citada pelos taxistas. Houve também menções a assuntos ligados à AGERBA, à Desenbahia, ao transporte dos servidores via táxi e melhorias em estradas, mas a preocupação com a segurança foi o que se destacou realmente. E não pra menos!

     

    A população está aterrorizada com tanta violência. Seja na capital ou no interior, em bairros periféricos ou em bairros nobres, a criminalidade está causando pânico aos baianos. De acordo com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, responsáveis pelo Atlas da Violência que utiliza dados do Ministério da Saúde, em 10 anos, a taxa de homicídios na Bahia para a cada 100 mil habitantes cresceu 97,8%. A pesquisa revela que o índice passou de 23,7, em 2006, para 46,9, em 2016. A Bahia só perde para Sergipe (64,7), Alagoas (54,2), Rio Grande do Norte (53,4), Pará (50,8), Amapá (48,7) e Pernambuco (47,3).

     

    Os taxistas têm sido vítimas da bandidagem diariamente, principalmente em Salvador. A Polícia Civil não possui uma estatística oficial e alega que um dos motivos para isso é porque muitos taxistas não registram o Boletim de Ocorrência (BO). A categoria argumenta que a demora no atendimento e a falta de elucidação e consequente condenação dos criminosos são desestímulos para que o cidadão procure uma delegacia. Representantes dos taxistas têm feito reuniões com autoridades policiais como o secrteário de segurança do estado, Maurício Teles Barbosa, contudo não há evidências de melhora.

     

    Assim, o taxista espera que o governador Rui Costa reflita sobre este e outros problemas enfrentados pelos taxistas e apresente soluções.

     

    Share on Facebook

    Deixe um comentrio

    Required fields are marked *