A beleza da vida

Por Conrado Matos

 

A vida é doce, mas também amarga quando não sabemos dosar na medida do possível um pouco de motivação em nossos relacionamentos. Nada pode funcionar melhor se não existir entusiasmo. Tudo faz parte dessa composição para o bom relacionamento. O trabalho, a busca pelo conhecimento, a criatividade, o carinho, o afeto, o companheirismo e o respeito pelas pessoas.

 

Tudo isso precisa de sinceridade, de muito gás, de um combustível para o motor continuar funcionando. No relacionamento, as engrenagens devem estar em sintonia, peças por peças. Nem tudo nós podemos compartilhar, aceitar ou concordar. Sempre haverá convergências e divergências. Mas o fundamental de tudo isso é o respeito por si mesmo e pelos outros. Sem respeito, a vida é corrompida e os relacionamentos são desfeitos, não são dignos de comemorações.

 

O gosto pela vida exige sacrifício. É preciso amor para viver. Merecer de prazer é saborear tudo que a vida possa oferecer, até a última gota do seu fim. A vida é cruel quando não amamos. A vida se torna um labirinto para os que se odeiam. Os que se apaixonam são rebeldes com a vida. Quanto aos que a amam, querem senti-la plenamente. Repito, até a última gota do seu fim…

 

Merecemos um amor que seja singelo. No amanhecer, merecemos nos encontrar alegres e sorridentes. Olhar para o céu todos os dias e vê-lo o quanto é lindo. No anoitecer, vivemos o pôr do sol e as estrelas. No dia a dia precisamos de um abraço afetuoso e um elogio de um amor que seja sincero e delicado.

 

Passeando nos bosques, olhamos para ás arvores e as flores; sentimos o aroma do jardim e um mundo melhor, sem violência. Na praia, brincamos na areia com nossos filhos. É o momento de sermos livres, nos admirar como todo e admirar o nosso cosmo.

 

Necessitamos de um amor que seja de paz, de um mundo sem preconceito. Nessa vida temos que ser quem realmente somos: belos de beleza interior e de carisma pelas pessoas. Nesse tempo, merecemos fazer as nossas escolhas, amar e ser felizes; merecemos tudo nesta vida, mas quando morremos, não levamos nada dela… Isso é o gosto pela vida.

 

Conrado 22 06 16

 

 

 

 

 

 

 

 

Conrado Matos é Psicanalista, Licenciado em Filosofia e Bacharel em Teologia; Pós-graduado em Teoria Psicanalítica.

psicanaliseconrado@gmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *